Menu

Direito Penal

De R$ 84,90

Por R$74,90

em 3x de R$24,97

sem juros no cartão de crédito

economize R$ 10,00

Comprar com frete grátis Em pré-venda: 26/11/2019

Parcelamento apenas nas compras com cartão de crédito

O Julgamento de Jesus Cristo sob a Luz do Direito (2020)

3ª Edição Revista, Atualizada e Ampliada

  • Pré-venda: 26/11/2019
  • Páginas: 352
  • Edição: 3a
  • Ano: 2020
  • ISBN: 978-85-442-3099-2
  • Dimensões: 16x23cm
  • Acabamento: Brochura
  • ID: JUS0644
Disciplinas: Direito Penal Editora: Juspodivm

Descrição

CONTÉM:

Textos de leis e trechos históricos e bíblicos

POR QUE ESCOLHER O LIVRO O JULGAMENTO DE JESUS CRISTO SOB A LUZ DO DIREITO?

Em seu livro, o autor apresenta de maneira abrangente e criteriosa os atos preparatórios e executórios do julgamento de Jesus Cristo, de acordo com os dois sistemas legais que serviram de base ao processo, quais sejam, o Direito Hebraico, utilizado pelo Sinédrio, e o Direito Romano, empregado pelo governador Pilatos.

Igualmente, é exposto de forma consistente pelo autor o julgamento de Jesus Cristo à luz do Direito Brasileiro, confrontando o processo a que foi submetido primeiramente perante o Sinédrio e posteriormente diante do governador Pilatos com a Constituição Federal de 1988, com o Código Penal e com o Código de Processo Penal.

O resultado da profunda pesquisa realizada em relação ao julgamento de Jesus Cristo à luz dos Direitos Hebraico, Romano e Brasileiro, sustentada em metodologia previamente traçada e em ampla e rica revisão bibliográfica, leva o autor a concluir que Jesus Cristo foi preso sem culpa, acusado sem indícios, julgado sem testemunhas legais, apenado com um veredito errado e, por fim, foi entregue à mercê da boa vontade de um Juiz, no caso, o governador Pilatos, covarde, imparcial e inepto para o exercício da judicatura.

Deixa o autor de igual modo plenamente demonstrado que mesmo nos mais avançados sistemas jurídicos pode haver a condenação de inocente e a libertação de culpado, caso as regras processuais vigentes não sejam rigorosamente observadas; o contraditório e a ampla defesa não sejam materialmente albergados; ou que os Juízes singulares, Jurados populares ou Colegiados, todos julgadores, segundo o modelo adotado, não sejam, efetivamente, imparciais. Note-se que um dos princípios elementares do Direito é o de que o Juiz seja imparcial ao julgar, sob pena de instauração de um verdadeiro processo kafkiano, em que o réu sequer sabe do que está sendo acusado. Erros judiciais são extremamente gravosos e eventuais revisões jamais reparam, por completo, os danos causados àqueles que foram condenados injustamente, como ocorreu com Jesus Cristo.

Por todas essas considerações, creio que é imensamente valiosa a leitura deste livro [...].

Ubiratan Diniz de Aguiar
Ministro Presidente do Tribunal de Contas da União (2010).
Advogado, Membro da Academia Cearense de Letras e Acadêmico Honorário da Academia Cearense de Direito.

Outros títulos da mesma Disciplina

ver todos

Avaliações dos clientes

Conte o que achou deste produto para os outros clientes e ajude-os a fazer uma boa compra Quero avaliar este produto
Resumo das classificações
5
0
4
0
3
0
2
0
1
0
Classificação média dos clientes
Geral
Com base em 0 avaliações

Este produto ainda não foi avaliado. Seja o primeiro a comentar.

Dúvidas sobre o livro?

Escreva aqui todas as suas dúvidas sobre o livro. A Editora Juspodivm e o(s) autor(es) responderão a todas elas.